Juan Manuel Vidal

Ensaio 01

Será que podemos considerar os mecanismos de reparação que acontecem durante a replicação como um processo adaptação no nível molecular?
Uma adaptação, em termos biológicos, pode ser entendida como uma melhora que por seleção natural lhe permite a um organismo determinado manter-se com maior sucesso durante o tempo. Sob essa definição, os mecanismos de reparação de erros durante a replicação, lhe permitem aos organismos que os possuem, manter a estabilidade de seu material hereditário e, portanto, perdurar mais no tempo.
De fato, se considerarmos os mecanismos de reparo como uma adaptação e lhes compararmos com adaptações morfológicas clássicas como o mimetismo, podemos avaliar como semelhantes o fato de ambos mecanismos oferecer uma vantagem, ambos introduzindo modificações e ambos se amoldando a condições adversas. Talvez, o que diferencia os mecanismos de reparo de outro tipo de adaptações tanto morfológicas, fisiológicas ou etológicas e o fato destas últimas serem estáticas, entanto que as primeiras são dinâmicas, pois os mecanismos de reparo agem dependendo do tipo de mutação que seja inserida durante o processo de replicação.

Correção por Bruno F. Lima (24/03): Olá Juan. Seguindo os critérios que o Daniel comentou em aula sobre escrita científica, identifico alguns problemas no seu ensaio.
1) Acredito que não é muito bom começar o ensaio com uma pergunta; pode ser interessante para introduzir a questão, mas não é o ideal para a escrita científica.
2) Suas frases ficaram muito longas. É difícil acompanhar o seu raciocínio. Tenho o mesmo problema haha.
3) Há repetição de muitas palavras (por exemplo, na seguinte sentença: "…ambos mecanismos oferecer uma vantagem, ambos introduzindo modificações e ambos se amoldando a condições adversas." Há muita repetição da palavra "ambos").
4) Não entendi a ideia que você quis passar no final do seu ensaio, quando você diz que alguns tipos de adaptação são "dinâmicas" enquanto outras são "estáticas".
5) Por fim, alguns erros de português podem ser encontrados pelo seu texto.
Um ponto positivo é que achei que seu ensaio bem interessante e a ideia que você traz nele é bem inovadora, no meu entender.
Espero ter ajudado.
Atenciosamente, Bruno
PS: Obrigado pelas dicas no meu ensaio!

Ensaio 02

A teoria neutra da evolução molecular afirma que a maior parte das mutações fixadas no genoma vêm dadas por um processo estocástico mais do que determinístico. Essa proposta tem repercussões tanto epistemológicas quanto práticas. Epistemologicamente a teoria nos força a pensar na diversidade de alelos fixos numa população como sendo o produto de acontecimentos probabilísticos mais do que por forças de seleção natural. Isso levado à pratica da reconstrução histórica não só favorece como também exige que seja feito um tratamento estatístico dos dados que serão utilizados para tal reconstrução. Embora essa pratica tenha trazido vantagens quando é utilizada informação molecular, quando os dados vêm de caracteres morfológicos o tratamento estocástico se dificulta. Essa dificuldade é produto da impossibilidade de designar um espaço amostral que permitam fazer inferência estatística.


Correção ensaio (17/03/2017)

Hola Juan Manu,

- Eu acho que na primeira frase … vêm dadas por um processo estocástico mais do que determinístico, você queria dizer que é só estocástico, se não me engano, também precisei de ler a seguinte frase para compreende-la melhor … acontecimentos probabilísticos mais do que por forças de seleção natural… A construção da frase está certa e é atraente para o leitor.
- Tal vez você poderia ter desenvolvido mais a ideia de estatístico dos dados que serão utilizados para tal reconstrução… só para complementar e assim, reforçar a ideia.
- A dificuldade do tratamento estadístico dos dados morfológicos está bem explicado, mas acho que isso é independente da teoria neutra. A teoria Neutra compromete nosso entendimento da evolução e com certeza também o trabalho ao nível morfológico, mas não precisamente pelo tratamento dos dados. Acho que não entendi direito essa parte, você poderia esclarecer em um futuro.

Obrigada pelas suas correções!
Ángela Márquez

Ensaio 03

Seleção, deriva e tamanho da população.
O conceito de tamanho efetivo da população faz referência à variação do impacto que os processos de deriva e de seleção natural tem numa população com herança mendeliana de acordo com seu tamanho (Wright, 1931). Assim por exemplo, para uma população de grande tamanho o efeito que exerce a deriva genética é pequeno, mas para populações de tamanhos menores o seu efeito é muito forte. Já no caso da seleção natural seu efeito é o contrário, isto é, para populações de grande tamanho o efeito da seleção é grande entanto que para populações com poucos indivíduos seu efeito é baixo. A condição de dependência que os processos evolutivos de seleção e deriva tem com respeito ao tamanho da população, traz importantes implicações nas reconstruções históricas baseadas em diferenças genotípicas. Para diferenciar espécies segundo suas divergências no genoma, não é suficiente identificar os processos que geraram ditas diferencias, mas é imprescindível também levar a consideração o tamanho efetivo da população.

Referências
Wright, S. Evolution in Mendelian population. Genetics 16, 97-159 (1931)
Público alvo: Estudantes de graduação

Adicionais

Elucubrações surgidas durante as leituras e discussões.

Sob a escrita de textos em geral

Especie não especie

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License